Governo federal edita portaria de vacinação obrigatória para militares, que Bolsonaro combate para civis

Enquanto faz campanha contra a CoronaVac, o governo federal, por meio do Ministério da Defesa, reafirmou, em portaria no Diário Oficial da União, a obrigatoriedade da vacinação para os militares

(Foto: PR | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério da Defesa, comandado pelo general Fernando Azevedo e Silva, publicou nesta quarta-feira (11) uma portaria no Diário Oficial da União (DOU) na qual reafirma a obrigatoriedade da vacinação para os militares das Forças Armadas. O próprio Jair Bolsonaro havia efeito campanha contra a obrigatoriedade da vacina e, nessa terça-feira (10), afirmou ser necessário enfrentar a pandemia do novo coronavírus de "peito aberto". Para ele, o Brasil tem deve deixar de ser "um país de maricas", numa referência pejorativa ao receio com pandemia, que já matou mais de 162 mil e infectou 5,7 milhões de pessoas.

De acordo com o comunicado do ministério, "fica instituído o Calendário de Vacinação Militar, visando ao controle, à eliminação e à erradicação das doenças imunopreveníveis e à padronização das normas de imunização para os militares das Forças Armadas". "As vacinas e os períodos estabelecidos no Calendário de Vacinação Militar serão obrigatórios", acrescenta.

Ao se posicionar contra a obrigatoriedade da vacina, no mês passado, por exemplo, Bolsonaro reafirmou sua opinião a apoiadores sobre a vacina. "O meu ministro da Saúde já disse claramente que não será obrigatória esta vacina e ponto final", disse.

A publicação da portaria ocorre um dia após Bolsonaro comemorar a suspensão dos testes da Coronavac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao responder a um usuário no Facebook, ele disse "mais uma que Jair Bolsonaro ganha", uma clara demonstração de politização da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, estado governador por João Doria (PSDB), seu desafeto político e possível adversário na eleição presidencial de 2022. 

No mês passado, Bolsonaro destacou novamente a sua disputa política em torno da vacina. "Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid 19", disse a ministros. 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou que a Anvisa preste esclarecimentos sobre a interrupção dos testes. Antes da ordem expedido pelo Supremo, a agência havia suspendido os testes alegando um "evento adverso grave".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247