Clubes Militares divulgam nota em defesa do voto impresso

"O prazo final para a resolução desse imbróglio, visando as eleições de 2022, será outubro. Esperamos que não seja um outubro vermelho, mas sim verde e amarelo, pelo bem do Brasil", escreveram os clubes Naval, Militar e da Aeronáutica, defendendo que o Congresso aprove a PEC que institui as urnas com impressoras

www.brasil247.com - Urnas eletrônicas
Urnas eletrônicas (Foto: Bruno Kelly/Reuters)


247 - Os clubes Naval, Militar e da Aeronáutica divulgaram, nesta segunda-feira, 2, uma nota conjunta a favor do voto impresso, usado por Jair Bolsonaro para atacar o sistema eleitoral brasileiro. Os militares alegam que a medida é "pelo bem do Brasil", segundo o UOL.

Na nota, eles defendem que o Congresso aprove a PEC que institui as urnas com impressoras. A emenda constitucional está sendo discutida por comissão especial, mas quase foi derrotada antes do recesso parlamentar.

Fazendo coro com Bolsonaro, os militares afirmam que a urna eletrônica é uma "inescrutável caixa preta" e acrescentam que, diante da digitalização, não há provas "visíveis e tangíveis", o que impossibilitaria a apresentação de uma possível fraude.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O prazo final para a resolução desse imbróglio, visando as eleições de 2022, será outubro. Esperamos que não seja um outubro vermelho, mas sim verde e amarelo, pelo bem do Brasil", escreveram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A justificativa de que, em face da pandemia, o gasto de três bilhões de reais com o custo da implementação das urnas eletrônicas com voto impresso auditável seria inadmissível não se sustenta, pois a lisura e a transparência do processo eleitoral - essenciais para uma salutar democracia - não tem preço, seja em que tempo for", diz a nota.

TSE abre inquérito para investigar ataques de Bolsonaro

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu por unanimidade na noite desta segunda abrir um inquérito administrativo contra Jair Bolsonaro

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A votação aconteceu após um discurso contundente do presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, contra o presidente. A proposta partiu do corregedor eleitoral, ministro Luís Felipe Salomão.

Os crimes apontados são “abuso do poder econômico e político, uso indevido de veículos de imprensa, corrupção e ataques à legitimidade das eleições”. A investigação vai mirar a conduta de Bolsonaro e pode resultar em inelegibilidade.

O TSE também pediu ao STF que Bolsonaro seja investigado por disseminação de fake news contra as urnas. As duas decisões foram unânimes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email