'Narrativa de Bolsonaro gera permissividade com criminosos da Amazônia', diz Ramos

Deputado federal do Amazonas complementou afirmando que postura do presidente gera 'certeza de impunidade'

www.brasil247.com - Marcelo Ramos e Jair Bolsonaro
Marcelo Ramos e Jair Bolsonaro (Foto: ABr)


247 - O deputado federal Marcelo Ramos (PSD-AM) denunciou a "narrativa permissiva" de Jair Bolsonaro (PL) com criminosos que atuam na Amazônia, destacando que os posicionamentos do chefe do executivo geram "certeza de impunidade" que causa mortes na região.

Tal manifestação se deu após a confissão do assassinato do indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Philips nesta quarta-feira (14). Segundo Ramos, "outras mortes já ocorreram na Amazônia, como Chico Mendes (governo Sarney) ou Dorothy Stang (governo Lula) mas todas foram veementemente repudiadas pelo Presidente da República."

"Jamais um presidente teve a insensibilidade e a insensatez de declarar que  um dos assassinados era “malvisto na região” por fazer “matérias contra garimpeiros” ou ousou colocá-los na condição de culpados por partirem para uma “aventura” em uma “área selvagem""', complementou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira a nota à imprensa do deputado federal na íntegra:

A violência existe em todo lugar, mas se consolida quando falta a presença do Estado e subjuga a sociedade quando o governo se faz cúmplice do crime por ação ou omissão. Na Amazônia, a narrativa permissiva do Presidente da República com criminosos - garimpeiros ilegais, grileiros de terras, milícias armadas, desmatadores ilegais, agressores de populações indígenas e ribeirinhas - gera uma permissividade e uma certeza da impunidade que mata. Outras mortes já ocorreram na Amazônia, como Chico Mendes (governo Sarney) ou Dorothy Stang (governo Lula) mas todas foram veementemente repudiadas pelo Presidente da República. Jamais um presidente teve a insensibilidade e a insensatez de declarar que  um dos assassinados era “malvisto na região” por fazer “matérias contra garimpeiros” ou ousou colocá-los na condição de culpados por partirem para uma “aventura” em uma “área selvagem”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 A tragédia com Dom e Bruno nos sensibiliza e nos alerta. Como brasileiros e como cristãos nos ressentimos pela incapacidade do Estado Brasileiro de proteger Dom, Bruno, mas também a incapacidade de proteger as populações indígenas, os ribeirinhos e muita gente simples que não vira notícia de jornal, como meu amigo Tuta, desaparecido com seu irmão e mais duas pessoas nas águas do Rio Purus, nas proximidades do município de Ipixuna.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 A forma que o Brasil tem de pedir desculpas a Dom e Bruno é repudiando quem é tolerante com o crime, é protegendo o jornalismo livre e independente, é garantindo segurança às populações tradicionais. Importante lembrar que na área do Vale do Javari (município de Atalaia do Norte, o 3o pior IDH do Brasil) não falta só segurança! Falta comida, falta escola, falta hospital, falta Brasil.

Marcelo Ramos - deputado federal PSD-AM.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email