Prefeitos de dez municípios já denunciaram esquema de pastores no 'bolsolão' do MEC

Além das denúncias de intermediação, três prefeitos também confirmaram que receberam pedidos de propina em troca de liberação de verbas do Ministério da Educação

www.brasil247.com - Milton Ribeiro com Arilton Moura (esq.) e com Gilmar Silva dos Santos (dir.)
Milton Ribeiro com Arilton Moura (esq.) e com Gilmar Silva dos Santos (dir.) (Foto: Luis Fortes/MEC | Reprodução)


247 - Prefeitos de dez municípios já afirmaram que os pastores Gilmar Silva dos Santos e Arilton Moura atuavam como intermediadores na liberação de verbas do Ministério da Educação (MEC) e ao menos três deles admitiram que receberam pedidos de propinas para que a verba fosse liberada. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, os gestores municipais serão intimados a prestar depoimento à Polícia Federal. 

>>> Com Bíblia na mão, pastor lobista do MEC agradece apoio de fiéis, mas não explica acusações de propina

Pelo menos dez prefeitos atestam que pastores atuaram na intermediação de recursos ou no acesso direto ao ministro da Educação, Milton Ribeiro. Desse grupo, três já admitiram que ouviram pedidos de propina em troca da liberação de verbas federais para escolas. Eles serão intimados a prestar depoimento à Polícia Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O prefeito de Luis Domingues (MA), Gilberto Braga (PSDB), disse ter recebido de Arilton um pedido de propina de R$ 15 mil, além de um quilo de ouro, para que os recursos solicitados pelo município fossem liberados pela pasta comandada por Milton Ribeiro. O prefeito de Bonfinópolis (GO), Professor Kelton Pinheiro (Cidadania), relatou que chegou a receber até uma oferta de desconto no valor da propina a ser paga, além de um pedido para a compra de bíblias. O prefeito de Boa Esperança do Sul (SP), José Manoel de Souza (PP), também afirma que o pastor Arilton pediu um depósito “de R$ 40 mil para ajudar a igreja”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além deles, os prefeitos Nilson Caffer, de Guarani D'Oeste (SP), Adelícia Moura, de Israelândia (GO), Laerte Dourado, de Jaupaci (GO), Doutor Sato, de Jandira (SP), Fabiano Moreti, de Ijaci (MG), André Kozan, de Dracena (SP), e Edmario de Castro Barbosa, de Ceres (GO), dizem que só tiveram acesso ao MEC por intermédio dos pastores envolvidos no escândalo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira (24), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmén Lúcia, atendeu um pedido do Ministério Público Federal (MPF) e determinou abertura de um inquérito para investigar o envolvimento do ministro da Educação, Milton Ribeiro, no esquema.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email