Golpista Sérgio Reis recebeu R$ 400 mil em verba pública de entidades do 'Sistema S'

Os pagamentos ao cantor sertanejo e ex-deputado Sérgio Reis, que defendeu um golpe no país, foram feitos pelo Serviço Social do Transporte (Sest) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat)

www.brasil247.com - Sérgio Reis
Sérgio Reis (Foto: Reprodução)


247 - Alvo da uma operação da Polícia Federal no âmbito do inquérito sobre manifestações antidemocráticas, nesta sexta-feira (20), o cantor sertanejo e ex-deputado Sérgio Reis, que defendeu um golpe no país, recebeu pelo menos R$ 398,2 mil em dinheiro público repassado a entidades ligadas ao Sistema S. Entidades mantidas pelo setor de transportes, o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) fizeram os pagamentos entre janeiro e setembro de 2020. 

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, cada uma das duas entidades depositou R$ 18,1 mil mensais à empresa do cantor, chamada Sérgio Reis Produções e Promoções Artísticas Ltda. Os pagamentos constaram na prestação de contas do Sest/Senat para 2020 e serviram para a divulgação de iniciativas das entidades nas redes sociais de Sérgio Reis, como o Facebook e o Instagram.

Em princípio, não há relação entre os pagamentos do Sest/Senat e as declarações do cantor, que defendeu impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2021, o artista continuou divulgando as ações das entidades ligadas ao transporte em suas redes, mas elas se recusaram a informar quanto pagaram ao cantor este ano, seja diretamente ou por meio de intermediários, como uma agência de propaganda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas gravações que circularam no fim de semana, o artista afirmou estar envolvido com o planejamento de manifestações e de uma paralisação de caminhoneiros a partir do dia 07 de setembro, feriado da Independência. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Sest e o Senat foram criados em 1993 por lei federal e são entidades de direito privado, não são órgãos públicos. Mas o dinheiro que elas administram são públicos. O governo federal arrecada a verba junto às empresas do setor de transportes e depois repassa às entidades. Por receber verbas públicas, os gastos da entidade são fiscalizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria Geral da União (CGU).

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email