General que comanda Petrobrás defende gasolina cara e que estatal não faça políticas públicas

A política de preços abusivos é uma das principais responsáveis pela alta da inflação no Brasil

www.brasil247.com - Joaquim Silva e Luna
Joaquim Silva e Luna (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


247 - Em evento virtual do banco Credit Suisse, nesta quinta-feira (3), o general que comanda a Petrobrás, Joaquim Silva e Luna, saiu novamente em defesa da atual política de preços da estatal, e afirmou que a empresa não tem que estar preocupada em fazer políticas que beneficiem o povo brasileiro. 

>>> Salário de Joaquim Silva e Luna chega a R$ 260 mil mensais

A política de preços abusivos implantada após o golpe parlamentar de 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff é uma das principais responsáveis pela alta da inflação no Brasil.

>>> "Qualquer pessoa séria mudará a política de preços da Petrobrás", diz o ex-presidente Lula 

“A Petrobrás trabalha em cima da legalidade. Ela tem que praticar preços de mercados, tem que se comportar como uma empresa privada. Aí está a lei das estatais, da sociedade anônima, o próprio regimento interno da empresa”, disse Silva e Luna. 

“A Petrobras tem responsabilidade social, mas não pode fazer políticas públicas. Ela faz isso através de uma gestão eficiente e entregando resultados”, afirmou. 

O diretor financeiro da Petrobras, Rodrigo Araújo, afirmou que 60% de tudo que a companhia gera de caixa retorna para a sociedade brasileira, por meio de impostos e "distribuição de dividendos" a acionistas e União. 

“A companhia não tem nenhum interesse em reter recursos. Tudo o que a gente gera tem 3 destinos: ou investimentos ou pagamento de tributos ou é para a distribuição de dividendos”.

O argumento do general é defendido apenas entre as forças que apoiaram o golpe de 2016. Petroleiros, engenheiros e acadêmicos, no geral, denunciam a abordagem neoliberal. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247