Se Eletrobras passar, Petrobras será a próxima

Se a sociedade brasileira permitir que um governo não eleito, que chegou ao poder por meio de um golpe, privatize a maior empresa brasileira do setor elétrico, que controla 40% da geração de energia no País, que ninguém duvide: o próximo passo de Michel Temer será a venda da Petrobras; a privatização da empresa de petróleo, na prática, já começou, com a venda de ativos por Pedro Parente e com a desistência da estatal de participar dos próximos leilões do pré-sal; segundo o ministro Fernando Coelho Filho, o governo poderá arrecadar R$ 20 bilhões com a privatização da Eletrobras, cerca de 15% do rombo anual produzido por Temer

Se a sociedade brasileira permitir que um governo não eleito, que chegou ao poder por meio de um golpe, privatize a maior empresa brasileira do setor elétrico, que controla 40% da geração de energia no País, que ninguém duvide: o próximo passo de Michel Temer será a venda da Petrobras; a privatização da empresa de petróleo, na prática, já começou, com a venda de ativos por Pedro Parente e com a desistência da estatal de participar dos próximos leilões do pré-sal; segundo o ministro Fernando Coelho Filho, o governo poderá arrecadar R$ 20 bilhões com a privatização da Eletrobras, cerca de 15% do rombo anual produzido por Temer
Se a sociedade brasileira permitir que um governo não eleito, que chegou ao poder por meio de um golpe, privatize a maior empresa brasileira do setor elétrico, que controla 40% da geração de energia no País, que ninguém duvide: o próximo passo de Michel Temer será a venda da Petrobras; a privatização da empresa de petróleo, na prática, já começou, com a venda de ativos por Pedro Parente e com a desistência da estatal de participar dos próximos leilões do pré-sal; segundo o ministro Fernando Coelho Filho, o governo poderá arrecadar R$ 20 bilhões com a privatização da Eletrobras, cerca de 15% do rombo anual produzido por Temer (Foto: Felipe L. Goncalves)

247 – O anúncio da privatização da Eletrobras pode ser um balão de ensaio para aquele que talvez seja o grande objetivo das forças que promoveram o golpe de 2016: a venda da Petrobras.

Se a sociedade brasileira permitir que um governo não eleito, manchada pelas mais graves denúncias de corrupção já vistas no País, privatize a maior empresa brasileira do setor elétrico, que controla 40% da geração de energia no País, que ninguém duvide: o próximo passo de Michel Temer será a venda da Petrobras.

A privatização da empresa de petróleo, na prática, já começou, com a venda de ativos por Pedro Parente e com a desistência da estatal de participar dos próximos leilões do pré-sal – abrindo espaço para multinacionais como Shell, Exxon, Chevron e Total.

Segundo o ministro Fernando Coelho Filho, o governo poderá arrecadar R$ 20 bilhões com a privatização da Eletrobras. Isso equivale a apenas 15% do rombo anual produzido por Temer.

Leia, abaixo, reportagem da Reuters sobre a venda da Eletrobras:

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A proposta do Ministério de Minas e Energia de privatizar a Eletrobras, com a venda do controle da elétrica federal, pode gerar uma arrecadação de até 20 bilhões de reais para a União, disse à Reuters o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

O ministério anunciou na segunda-feira a intenção de desestatizar a empresa e, de acordo com Coelho Filho, o processo será conduzido por meio da emissão de novas ações, diluindo a fatia da União.

"A Eletrobras, como holding, com todos seus ativos dentro, vai entrar nesse pacote...O governo não vende ação; propomos a emissão de novas ações e, ao se fazer isso, as atuais ações serão diluídas, e a (participação da) União será diluída também", explicou ele.

A proposta é que sejam colocadas barreiras para impedir a concentração dessa compra nas mãos de um único investidor ou grupo.

"Vamos fazer uma série de regras para a democratização desse capital e possivelmente limitando-o a uma participação máxima por empresa. Acho (que mesmo assim) não vai faltar interessado, não", disse o ministro.

"Algo muito semelhante com o que se fez com Vale e Embraer no passado", concluiu.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247