Xico Sá detona editorial da Folha: “juntou o resquício da ditadura e a vítima torturada”

“Quantos erramos serão possíveis nesse editorial da Folha”, indagou o jornalista, que criticou também a “falácia” do texto sobre “a tese econômica mata-pobre”

Xico Sá
Xico Sá (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Xico Sá foi mais um a criticar de forma dura o editorial da Folha de S.Paulo deste sábado (20), em que o jornal chama Bolsonaro de “Jair Rousseff” para defender a política de teto de gastos. 

“Quantos erramos serão possíveis nesse editorial da Folha que juntou o resquício da ditadura e a vítima torturada? Sem se falar na falácia da tese econômica mata-pobre”, postou Xico Sá no Twitter.

O editorial causou uma comoção de críticas nas redes sociais, principalmente pelo aspecto da comparação entre Bolsonaro e Dilma. A própria ex-presidente fez uma resposta dura. O ex-editor da Folha Fernando Barros e Silva chamou a comparação de “intelectualmente indigente e moralmente atroz”.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247