CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Hamas condena veto dos EUA à adesão da Palestina na ONU

Movimento também agradeceu a todos os países que apoiaram a resolução proposta

Imagem Thumbnail
Bandeiras do Hamas e de Israel (Foto: Reuters)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

(Sputnik) - O movimento palestino Hamas condenou nesta sexta-feira (19) o veto dos EUA no Conselho de Segurança da ONU contra uma resolução proposta sobre a adesão plena da Palestina na ONU, apelando à comunidade internacional para apoiar os palestinos em seu direito à autodeterminação. 

Na quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU se reuniu para discutir e votar a resolução proposta sobre a adesão plena da Palestina. Os Estados Unidos, que são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, vetaram a adoção da resolução. O Reino Unido e a Suíça se abstiveram, enquanto todos os outros membros do Conselho de Segurança apoiaram a resolução. 

"Isso [o veto dos EUA contra a resolução] confirma sua posição contra nosso povo palestino, seu direito à autodeterminação e a criação de um estado palestino independente, assim como seu total apoio à entidade de ocupação fascista em sua privação dos direitos de nosso povo palestino e tentativas de desmantelar a causa palestina", disse o movimento em uma declaração. O Hamas acrescentou que "o povo palestino continuará sua luta e resistência até derrotar a ocupação e estabelecer seu estado palestino independente e soberano com Jerusalém como sua capital". 

"Condenamos nos termos mais fortes a posição americana leal ao regime de ocupação e chamamos a comunidade internacional ... para apoiar a luta de nosso povo palestino e seu direito legítimo à autodeterminação", disse a declaração. O movimento também agradeceu a todos os países que apoiaram a resolução proposta. 

No início de abril, a Palestina pediu oficialmente ao Conselho de Segurança da ONU que considerasse seu pedido de adesão plena na ONU. O pedido foi apoiado pelo Grupo Árabe, pela Organização de Cooperação Islâmica e pelo Movimento Não Alinhado. 

Em 7 de outubro de 2023, o Hamas lançou um ataque com foguetes em larga escala contra Israel a partir de Gaza e violou a fronteira, matando 1.200 pessoas e sequestrando cerca de 240 outras. Israel lançou ataques retaliatórios, ordenou um bloqueio completo de Gaza e iniciou uma incursão terrestre no enclave palestino com o objetivo declarado de eliminar combatentes do Hamas e resgatar os reféns. Em 24 de novembro, o Catar mediou um acordo entre Israel e o Hamas sobre uma trégua temporária e a troca de alguns dos prisioneiros e reféns, bem como a entrega de ajuda humanitária à Faixa de Gaza. O cessar-fogo foi prorrogado várias vezes e expirou em 1º de dezembro. Acredita-se que mais de 100 reféns ainda estejam sendo mantidos pelo Hamas em Gaza.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO