Manifestantes do Black Lives Matter seriam tratados de maneira 'muito, muito diferente', diz Biden

Joe Biden lamentou o episódio repetidas vezes, e ressaltou que caso os manifestantes fossem membros do grupo antirracista, o tratamento dado por parte da polícia e das autoridades teria sido outro

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou a invasão ao Capitólio por apoiadores de Donald Trump nesta quinta-feira (7), em declarações feitas de Wilmington, Delaware, cidade onde mora.

Biden lamentou o episódio repetidas vezes, e ressaltou que caso os manifestantes fossem membros do grupo Black Lives Matter, o tratamento dado por parte da polícia e das autoridades teria sido outro.

"Ninguém pode me dizer que se fosse um grupo de Black Lives Matter protestando ontem, eles não teriam sido tratados de maneira muito, muito diferente da multidão de vândalos que invadiram o Capitólio. Todos nós sabemos que isso é verdade e é inaceitável, afirmou Biden.

Pelo menos quatro pessoas morreram durante os incidentes de violência, incluindo uma veterana da Força Aérea, que foi baleada dentro do Capitólio por um policial, que foi suspenso.

Para Biden, o dia 6 de janeiro de 2021 é "um dos dias mais sombrios da história" dos EUA. O presidente eleito afirmou que os invasores do Capitólio não devem ser chamados de "manifestantes" e, sim, de "terroristas domésticos", conforme publicado pela Reuters.

Além disso, culpou Donald Trump diretamente pela violência vista em Washington nesta quarta-feira (6): segundo Biden, Trump é culpado de "tentar usar uma multidão para silenciar as vozes de quase 160 milhões de americanos" que foram às urnas em novembro.

Biden afirmou ainda que o presidente "deixou claro seu desprezo por nossa democracia e nossa Constituição" e acusou Trump de ter "desencadeado um ataque impiedoso às instituições democráticas americanas".

Nesta quarta-feira (6), apoiadores de Trump invadiram o edifício do Capitólio em Washington, com o objetivo de impedir a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições, realizada em sessão do Congresso. A invasão aconteceu depois que Trump fez um discurso para dezenas de milhares de simpatizantes nos arredores da Casa Branca.

Nesta quinta-feira (7), congressistas dos EUA pedem a destituição de Donald Trump, por conta do episódio.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247