Cerco da Operação Lava Jato a Alckmin e a Serra põe em xeque o futuro do PSDB

As operações da Lava Jato contra os ex-governadores de São Paulo Geraldo Alckmin e José Serra põem em xeque o futuro do PSDB, que já não vence uma eleição desde o segundo mandato de FHC. Derrotado em 2014, Aécio Neves, também está na mira do Judiciário

José Serra e Geraldo Alckmin
José Serra e Geraldo Alckmin (Foto: Pedro França/Agência Senado | GOVSP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As operações da Lava Jato contra os ex-governadores de São Paulo Geraldo Alckmin e José Serra põem em xeque o futuro do PSDB, que já não vence uma eleição desde o segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso. Atual senador, Serra perdeu em 2002 e em 2010, Alckmin em 2006 e em 2018, quando não chegou sequer ao segundo turno. Além deles, alvos da Lava Jato, o atual deputado federal Aécio Neves, derrotado em 2014, também está na mira do Judiciário.

O senador e sua filha, Verônica Serra, viraram réus na Justiça Federal sob acusação de lavagem de dinheiro transnacional. Ele é acusado de ter recebido mais de R$ 23 milhões da Odebrecht para liberar crédito frente à Dersa. 

No caso de Alckmin, a Justiça Eleitoral aceitou denúncia do Ministério Público de São Paulo contra o tucano por caixa 2, corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a acusação do MP, o ex-chefe do Executivo paulista recebeu R$ 11,3 milhões da Odebrecht, durante as campanhas eleitorais de 2010 e 2014 ao governo do estado de São Paulo pelo PSDB. 

O deputado Aécio Neves indiciado pela Polícia Federal pelos crimes de corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica por esquema de superfaturamento na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais, sede do governo estadual. A PF apontou indícios de desvio de R$ 232 milhões em dinheiro público por meio de falsas contratações

O PSDB governa o estado de São Paulo desde 1995 e, segundo informações de Veja, controla 702 prefeitos no País, incluindo os de oito capitais. "Temos ambição de crescer não só em número de prefeituras, mas em número de habitantes em cidades com prefeitos tucanos. Nesse sentido, manter São Paulo e outras capitais acaba sendo mais representativo", diz o deputado Beto Pereira (MS), secretário-geral do PSDB. 

De olho na eleição presidencial de 2022, o grupo do atual governador João Doria (PSDB) aposta em uma aproximação com o MDB e o DEM, depois que os dois partidos romperam com o bloco do Centrão. Se for candidato a presidente, Doria terá de explicar as acusações contra três ex-presidenciáveis da legenda. 

Segundo o analista político Rui Tavares Maluf, "um olhar imediato mostra que a marca PSDB, assim como a do PT, está chamuscada, mas os partidos devem pensar estrategicamente, que o nome tem um peso e que não valeria a pena jogá-lo fora, mesmo machucado". "Se quiser se fortalecer, se revigorar para disputar eleições com condições, o PSDB terá que se aproximar muito dos mais pobres, dos desvalidos, dos desempregados, das mulheres e dos jovens", disse.

"Sempre fomos de um centro progressista, mas, com a ausência de posições e a polarização, fomos sendo empurrados para a direita", diz um aliado do prefeito paulistano Bruno Covas, tentando identificar o partido com as origens. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247