Deputado diz ter informado Bolsonaro pessoalmente, no Alvorada, sobre corrupção na compra da Covaxin

Segundo o deputado Luis Miranda, o encontro aconteceu no dia 20 de março, um sábado, quando Bolsonaro disse que tomaria providências e enviaria o caso para o diretor-geral da PF. “Não tive mais resposta sobre o caso”, relata o parlamentar. Ele diz ainda que as vacinas compradas com superfaturamento estavam para vencer, entre abril e maio

www.brasil247.com - Luis Miranda e Jair Bolsonaro / Covaxin
Luis Miranda e Jair Bolsonaro / Covaxin (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados | Reuters)


247 - O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) relatou em entrevista à CNN no início da tarde desta quarta-feira (23) que informou Jair Bolsonaro pessoalmente sobre a suspeita de corrupção no contrato de compra da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde. 

O parlamentar disse ter enviado inicialmente uma mensagem a um “adjunto” de Bolsonaro informando a pressão incomum que seu irmão, o servidor da pasta Luis Ricardo Miranda, estaria sofrendo para fechar um contrato suspeito da compra das vacinas. Os dois irão depor na CPI da Covid na sexta-feira (25).

No mesmo dia - 20 de março, um sábado - o assessor de Bolsonaro propôs um encontro pessoalmente entre eles e Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada, por volta de 16h. O parlamentar compareceu à residência oficial da Presidência acompanhado do irmão e da esposa e comunicou o chefe do Planalto sobre os detalhes da negociação, inclusive com documentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o servidor Luis Ricardo, as suspeitas se baseavam em alguns elementos: o invoice - nota fiscal para pagamento - estava em nome de uma empresa que não era nem a fabricante da vacina, na Índia (Bharat Biotech), nem a representante legal dela no Brasil (Precisa Medicamentos), mas de uma terceira. Havia também acordos diferentes no contrato inicial e no invoice - como o pagamento antes da entrega das vacinas, no caso do último documento. Durante a entrevista, o deputado apresentou um áudio do irmão com o relato dos pontos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na conversa com Bolsonaro, segundo o deputado, o presidente disse que tomaria providências e que levaria o caso ao diretor-geral da Polícia Federal. Depois do encontro na Alvorada, o parlamentar contou ter cobrado o adjunto por mensagens via Whatsapp. Chegou a perguntar se ‘o presidente estaria chateado’ com ele por alguma coisa e depois indagou se o caso havia sido levado adiante.

Vacinas prestes a vencer

No dia 24 de março, quarta-feira, Luis Miranda relatou ter enviado ao assessor uma “informação bastante complicada”. “Além de tudo, as vacinas ainda estavam, segundo o documento que foi encaminhado ao meu irmão, em prazo de vencimento. Venceriam entre abril e maio. Ou seja, a importação, a distribuição e a vacinação da população seria praticamente impossível. Teria que fazer uma mágica”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Então eu mandei uma mensagem na quarta-feira dizendo ‘olha, os caras ainda estão mandando vacinas que vencem em abril e maio’. E não tive mais resposta sobre o caso, não sei dizer qual foi dado o prosseguimento, não tive mais contato. Eu até encontrei o presidente recentemente num evento que eu fui convidado. Falei ‘presidente, preciso falar com o senhor’. E ele me mandou entrar em contato com o chefe de gabinete dele. Eu falo que é urgente, mas nunca mais consegui falar nem com ele nem com nenhum assessor dele sobre o tema. E eu só estou aqui hoje porque estouraram o áudio do meu irmão no MPF”.

O valor do contrato, que envolve a aquisição de 20 milhões de doses da Covaxim, é de R$ 1,61 bilhão. O custo unitário é de US$ 15, o mais alto dentre todas as vacinas adquiridas pelo Ministério da Saúde - no site da Covaxin, a dose da vacina era anunciada a US$ 2. O sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Emerson Maximiano deveria prestar depoimento à CPI nesta quarta-feira (23), mas a oitiva foi adiada para a semana que vem.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email