Justiça manda soltar brigadistas presos arbitrariamente no Pará acusados de incendiar a Amazônia

Prisão contra ambientalistas que atuam para apagar o fogo na região de Alter do Chão foi revertida pelo juiz Alexandre Rizzi. Os quatro serão colocados em liberdade

www.brasil247.com -


247 - A prisão arbitrária contra quatro brigadistas que foram alvo da Operação Fogo Sairé, da Polícia Civil, acusados de ajudar a provocar incêndios na região de Alter do Chão, no Pará, foi revertida e os quatro serão libertados nesta quinta-feira 28.

A decisão é do juiz Alexandre Rizzi, que nesta quarta-feira 27 manteve as prisões preventivas por mais dez dias após uma audiência de custódia.

"A farsa durou pouco! Confirmada pelo advogado José Ronaldo Campos a soltura ainda nesta quinta-feira dos 4 brigadistas de Alter do Chão, presos de forma arbitrária sob a suspeita de terem ateado fogo na APA Alter do Chão em setembro!", postou no Twitter o deputado federal Airton Faleiro, do PT do Pará.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A operação da Polícai Civil foi contestada por diversas entidades de defesa do meio ambiente por mirar ONGs que, na verdade, combatem os reais responsáveis pelos incêndios na Amazônia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após a pressão, o governador Hélder Barbalho (MDB) destituiu o delegado que preside o inquérito, José Humberto de Melo, e colocou no cargo Waldir Freire Cardoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Ministério Público Federal (MPF) em Santarém (PA) informou que, nas investigações sobre o caso, "nenhum elemento apontava para participação de brigadistas ou organizações da sociedade civil" nos incêndios na região de Alter do Chão.

Reportagem do site The Intercept apontou ainda que, nos bastidores, a Polícia Federal também confirmou que não havia nenhuma informação sobre o envolvimento de brigadistas e que a ação da Polícia Civil ainda era um mistério para os agentes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email