Promotor que criou tese de "estupro culposo" é investigado no CNMP

A reclamação disciplinar contra o promotor Thiago Carriço de Oliveira, , que atuou no caso de Mariana Ferrer, foi instaurada no dia 9 de outubro pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Thiago Carriço de Oliveira
Thiago Carriço de Oliveira (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O promotor Thiago Carriço de Oliveira, que atuou no caso de Mariana Ferrer e qualificou o crime cometido contra ela como “estupro culposo”, é investigado pela Corregedoria Nacional do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) desde outubro.

A apuração tramita em sigilo. A reclamação disciplinar foi instaurada no dia 9 de outubro pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves.

O CNMP solicitou informações da corregedoria-geral do Ministério Público do Estado de Santa Catarina, do qual o promotor faz parte.

Nesta quarta-feira, 9, o juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, absolveu o empresário André de Camargo Aranha por falta de provas. O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), seguindo a tese da defesa, julgou improcedente a denúncia.

O ato foi classificado como "estupro culposo", "crime" não previsto em lei e que indica um suposto 'estupro sem intenção.

O conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Henrique Ávila editou representação para que a corregedoria do órgão analise a conduta do juiz Rudson Marcos e do promotor que participaram do julgamento do caso de estupro da influencer Mariana Ferrer.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247