Randolfe vai ao Supremo e pede impeachment de Milton Ribeiro

No documento, o senador da Rede-AP apontou "cometimento de crime de responsabilidade" do ministro da Educação" devido ao gabinete paralelo na pasta com a atuação de pastores

www.brasil247.com - Ministro Milton Ribeiro e senador Randolfe Rodrigues
Ministro Milton Ribeiro e senador Randolfe Rodrigues (Foto: ABr)


247 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou nesta quarta-feira (23) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de impeachment do ministro da Educação, o pastor Milton Ribeiro, depois das revelações de um "gabinete paralelo" na pasta.  

No documento, Randolfe apontou "cometimento de crime de responsabilidade pelo Ministro da Educação, por incorrer em crime contra a probidade na administração, contra a lei orçamentária e contra a guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos".

>>> 'Bolsonaro pode ter cometido mais um crime de responsabilidade', diz Aloizio Mercadante

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O titular do MEC admitiu que, para a liberação de verbas, o governo Jair Bolsonaro prioriza prefeituras com pedidos intermediados por dois pastores - Gilmar Santos e Arilton Moura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O fato de o Governo Federal aparentemente priorizar prefeituras cujos pedidos de liberação de verba foram negociados por dois pastores que não têm cargo e atuam em um esquema informal de obtenção de verbas do MEC é um acinte dentro de um estado que se diga Republicano e de Direito, que não deveria guardar preferências senão aquelas puramente apontadas pela técnica e pelo melhor interesse público", diz a peça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

>>> Pastor admite esquema do Bolsolão no governo Bolsonaro (vídeo)

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu abertura de inquérito para investigar o ministro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O chefe do MEC não negou o áudio com suas declarações e afirmou que não há "possibilidade de o ministro determinar alocação de recursos para favorecer ou desfavorecer qualquer município ou estado".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email