CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Situação recente do câmbio liga alerta para todos os Poderes, diz Ceron

Avanços do dólar no Brasil têm ocorrido em meio ao ganhos generalizados da moeda norte-americana no exterior

Imagem Thumbnail
Rogério Ceron (Foto: Divulgação)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - O secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, disse nesta quinta-feira (18) que os recentes desenvolvimentos no cenário cambial e seus possíveis reflexos para a inflação "ligam um alerta para todos os Poderes", indicando que um retrocesso na questão dos preços pode penalizar a camada mais pobre da população.

"Acho que essa semana a questão do câmbio e o reflexo que isso pode gerar sobre a inflação liga um alerta para todos os Poderes", disse Ceron em entrevista à GloboNews.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nesta semana, o dólar teve uma sequência de ganhos expressivos ante o real, atingindo seu maior valor em mais de um ano. Na quarta-feira, a moeda norte-americana se aproximou do patamar de 5,27 reais na venda, antes de recuar no dia seguinte e fechar em 5,2445.

Os avanços do dólar no Brasil têm ocorrido em meio ao ganhos generalizados da moeda norte-americana no exterior, com investidores reagindo à perspectiva de juros altos nos Estados Unidos por mais tempo e às tensões no Oriente Médio, além de, localmente, às preocupações com as contas públicas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ceron apontou que o cenário externo está "muito estressado" no momento e argumentou que qualquer ruído, seja no exterior ou internamente, pode impactar o câmbio e, em consequência, prejudicar as famílias com uma alta da inflação.

Para evitar uma piora na situação econômica, o secretário defendeu que o país siga no caminho de aprovação de "reformas corretas", o que garantirá a sustentabilidade do crescimento com uma inflação baixa.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Retroceder, é muito difícil de entender a razão para isso. Por que nós vamos colocar em risco com o país algo que estamos conquistando com tantos esforço?", questionou.

Ceron também buscou reafirmar o compromisso da equipe econômica do governo com a recuperação fiscal do país, classificando a postura do Executivo como "inegociável" e pedindo "compactuação entre os Poderes".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ele afirmou que compreende pedidos "meritórios" por parte da sociedade e do Congresso para investimentos em determinadas áreas, mas ponderou que o governo não tem espaço para renúncia de receitas ou ampliação de gastos públicos na atual situação fiscal.

No início da semana, ao apresentar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2025, o governo propôs uma meta de superávit primário zero para o próximo ano, em uma redução do esforço fiscal anunciado anteriormente, e diminuiu o ritmo do ajuste das contas públicas para os anos seguintes.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ceron indicou que as novas metas fiscais ainda apontam para um "processo desafiador" de ajustes das contas, mas admitiu que o ruído gerado pela alteração dos objetivos trouxe dúvidas sobre o compromisso fiscal do governo.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO