CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Ideias

As Ilhas Chagos, a história de um crime contra a humanidade

Entre 1966 e 1973, toda a população desse arquipélago no Oceano Índico foi deportada de sua terra natal para permitir a instalação de uma base militar dos EUA

Soldado dos Estados Unidos (Foto: Reuters/Leonhard Simon)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Salim Lamrani* - Há mais de meio século, o povo chagossiano vem travando uma luta contra a arbitrariedade colonial. Em 8 de novembro de 1965, as Ilhas Chagos, sob a soberania britânica desde 1810, após a cessão do arquipélago pela França, foram separadas de Maurício. Em 1968, Maurício conquistou a independência, embora parte de seu território tenha permanecido sob controle britânico. Na época, a ilha era habitada por cerca de 2.000 pessoas, a maioria descendentes de escravos de Madagascar e Moçambique e de trabalhadores da Índia.

Devido à sua posição estratégica, como parte da Guerra Fria, os Estados Unidos decidiram, em 1966, estabelecer uma base militar na ilha de Diego Garcia - a maior que Washington tem no exterior - por um total de 70 anos, até 2036. Para isso, em acordo com o governo britânico, todos os chagossianos, que viviam nessas terras desde o século 18, sem exceção, foram arbitrariamente deportados para Maurício e Seychelles entre 1966 e 1973, sem possibilidade de retorno até hoje. Essa é uma violação flagrante dos artigos 9, 13 e 17 da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948. O artigo 9 afirma que “ninguém será submetido a prisão, detenção ou exílio arbitrários”. O artigo 13 afirma que “toda pessoa tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e de regressar ao seu país”. O artigo 17 afirma que “ninguém será arbitrariamente privado de seus bens”. Ainda mais grave, de acordo com o Artigo 7 do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, “deportação ou transferência forçada de população” constitui um crime contra a humanidade.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em notas confidenciais tingidas de racismo, nas quais os habitantes do arquipélago são chamados de “Tarzans” e “Fridays”, Londres reconheceu claramente a natureza ilegal da expulsão dos chagossianos, expressando seu desejo de apresentar às Nações Unidas “um fato consumado”. Por esse motivo, a comunidade internacional está exigindo justiça em nome do direito inalienável dos povos à autodeterminação, de acordo com a Carta das Nações Unidas. A Resolução 2066 da ONU, de 16 de dezembro de 1965, condenou o “desmembramento do território de Maurício” e a “violação de sua integridade territorial”. A Resolução 2232, de 20 de dezembro de 1965, estipula que “qualquer tentativa que vise à destruição parcial ou total da unidade nacional e da integridade territorial dos territórios coloniais e ao estabelecimento de bases e instalações militares nesses territórios é incompatível com os objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas”.

O Movimento Não Alinhado, que reúne 120 nações, também está exigindo a devolução do território às Ilhas Maurício e o retorno dos chagossianos à sua terra natal. O Grupo de Estados da África, Caribe e Pacífico, formado por 79 países, considera a autoridade britânica sobre Chagos “ilegal” e pede a descolonização completa da África. A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, composta por 16 membros, pediu que o direito internacional e a Carta das Nações Unidas “prevaleçam” e que o arquipélago seja descolonizado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Londres, apoiada por razões óbvias pelos Estados Unidos, recusa-se obstinadamente a respeitar os princípios elementares do direito internacional público e a Carta das Nações Unidas. De acordo com o governo britânico, a base militar é necessária “na luta contra os desafios mais complexos e urgentes do século XXI, como o terrorismo, o crime internacional, a pirataria ou qualquer outra forma de instabilidade”. No entanto, o povo chagossiano, que agora é forçado a viver na Inglaterra, nas Ilhas Maurício ou nas Ilhas Seychelles, não está pedindo o desmantelamento imediato da base, mas que exerça seu direito natural de viver em suas terras. O Reino Unido reconhece “que a maneira pela qual os chagossianos foram removidos do Arquipélago de Chagos e a maneira pela qual foram tratados posteriormente é vergonhosa e injusta”.

Em junho de 2017, de acordo com o Artigo 94 de sua Carta, a ONU adotou, por uma maioria de 94 votos contra 15, uma resolução solicitando um parecer consultivo da Corte Internacional de Justiça em Haia sobre a disputa entre Maurício e o Reino Unido. A ONU enfatizou as consequências sob o direito internacional “de manter o Arquipélago de Chagos sob a administração do Reino Unido, em particular no que diz respeito à impossibilidade de as Ilhas Maurício realizarem um programa de reassentamento para seus cidadãos, em particular os de origem chagossiana”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em 25 de fevereiro de 2019, em um parecer consultivo histórico, o Tribunal Internacional de Justiça enfatizou que o “desprendimento indevido do Arquipélago de Chagos” e sua “incorporação em uma nova colônia” impediram o processo tranquilo de descolonização das Ilhas Maurício. O Conselho de Segurança da ONU pediu que o Reino Unido “encerrasse sua administração do Arquipélago de Chagos o mais rápido possível”, instando todos os Estados membros a contribuírem para “a conclusão da descolonização de Maurício”.

Após essa decisão, em 22 de maio de 2019, a ONU adotou a resolução 73/295 por 116 votos a favor e seis contra, reconhecendo a soberania de Maurício sobre o Arquipélago de Chagos e exigindo a retirada incondicional da administração colonial britânica dentro de seis meses. De acordo com o texto, “como a separação do Arquipélago de Chagos não se baseou na expressão livre e genuína da vontade do povo mauriciano, a descolonização de Maurício não foi validamente concluída”. O documento pede que “nenhum impedimento ou obstáculo seja colocado no caminho do reassentamento” dos chagossianos em sua terra natal e rejeita “qualquer disposição feita pelo ‘Território Britânico do Oceano Índico’”. Até hoje, apesar de suas obrigações, o Reino Unido ainda se recusa a obedecer às regras do direito internacional e a respeitar as resoluções das Nações Unidas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

*Salim Lamrani tem doutorado em Estudos Ibéricos e Latino-Americanos pela Universidade de Sorbonne e é professor de História da América Latina na Universidade de La Réunion, especializando-se nas relações entre Cuba e os Estados Unidos. Seu último livro é 'Au nom de Cuba'.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO