Delegado que denunciou Salles tira sarro após pedido de demissão

Ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas que denunciou a ligação do ministro Ricardo Salles com exportação ilegal de madeira, o delegado Alexandre Saraiva tirou sarro nas redes sociais após pedido de demissão do chefe do Meio Ambiente

Delegado Alexandre Saraiva e Ricardo Salles
Delegado Alexandre Saraiva e Ricardo Salles (Foto: Reprodução/TV Globo | Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas que denunciou a ligação do ministro Ricardo Salles com exportação ilegal de madeira, o delegado Alexandre Saraiva tirou sarro nas redes sociais após pedido de demissão do chefe do Meio Ambiente, nesta quarta-feira, 23.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu demissão do cargo.

PUBLICIDADE

O ato de exoneração foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU). Alvo de duas investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), Salles estava sob pressão e alegou motivos familiares para deixar o cargo, apesar do respaldo do Palácio do Planalto.

O atual Secretário da Amazônia e Serviços Ambientais da pasta, Joaquim Álvaro Pereira Leite, foi nomeado em seu lugar.

Atuação em favor de madeireiros

No programa Roda Viva, no dia 7 de junho, Saraiva afirmou que é "claríssima e inédita" a atuação de Salles em favor de madeireiros.

PUBLICIDADE

O delegado foi retirado da superintendência pelo governo após enviar, em meados de abril, uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra Salles e o senador Telmário Mota (Pros).

"Eu posso dizer com tranquilidade porque foi gerado um vídeo por ele mesmo em que ele confessava o que estava fazendo. Então, a atuação dele é claríssima e inédita. Isso aí, fora de dúvida", disse o delegado.

O delegado apontou que Salles integra uma "organização criminosa orquestrada por madeireiros alvos da Operação Handroanthus com o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza".

PUBLICIDADE

Exportação ilegal de madeira

A Operação Handroanthus, da PF, investiga a exportação ilegal de madeira brasileira aos Estados Unidos e resultou na apreensão de cerca de 200 mil metros cúbicos de madeira extraída por organizações criminosas.

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a inclusão do presidente do Ibama, Eduardo Bim, no inquérito que apura crimes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Salles e Bim são acusados de cometer delitos de advocacia administrativa, obstar ou dificultar a fiscalização ambiental e impedir ou embaraçar a investigação de infração penal que envolva organização criminosa.

Esta é a segunda investigação contra Salles no STF. A primeira está sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes, que resultou até em operação de busca e apreensão contra o ministro do Meio Ambiente e foi batizada de Operação Akuanduba, na qual Bim também é alvo.

Desmatamento em terras indígenas aumenta 150%

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam o resultado das políticas ambientais de Jair Bolsonaro e do ministro Salles. O desmatamento na Amazônia cresceu 46% nos primeiros dois anos do atual governo se comparados ao período entre 2017 e 2018, chegando a mais de 21 mil km2 desmatados. Este é o maior número da década em dois anos consecutivos.

Em unidades de conservação, a taxa de desmatamento saltou 62% nos dois primeiros anos do governo Bolsonaro em comparação aos dois anos anteriores. Nas terras indígenas o número é ainda mais aterrorizante: um crescimento de 150%.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email