China rebate declaração de Bolsonaro e diz se opor a qualquer tentativa de politizar o vírus

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, o coronavírus é um inimigo comum da humanidade. Ele também reforçou que é preciso uma união entre os países para atingir a vitória, rápida e completa contra a pandemia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo chinês reagiu aos recentes ataques de Jair Bolsonaro, que acusou a China durante evento realizado no Palácio do Planalto na quarta-feira, 5. Ele insinuou que o novo coronavírus teria sido criado pela China em laboratório para uso em uma “guerra química”.

“É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu porque um ser humano ingeriu um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês”, disse.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em Pequim, rebateu a afirmação e se opôs a qualquer tentativa de politizar o vírus. Segundo o porta-voz chinês o coronavírus é um inimigo comum da humanidade. Ele também reforçou que é preciso uma união entre os países para atingir a vitória, rápida e completa contra a pandemia.

Reação aos ataques de Bolsonaro

Após os ataques, o deputado federal Fausto Pinato (PP), cujo partido compõe a base do governo federal no Congresso, pediu a interdição de Jair Bolsonaro. Em nota, Pinato afirma estar “preocupado sobre um possível desvio de personalidade da maior autoridade do Brasil”.

“A meu ver, não se trata de uma pessoa irresponsável, desequilibrada e sem noção de mundo. Na verdade, pode tratar-se de uma grave doença mental que faz nosso presidente confundir realidade com ficção”, destaca o deputado.

“Penso que estamos diante de um caso em que recomenda-se a interdição civil para tratamento médico”, conclui.

Em depoimento na CPI da Covid no Senado nesta quinta-feira, 6, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, desmentiu Bolsonaro. Questionado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB) se existe algum indício da acusação do presidente, o ministro disse que desconhece "indícios de guerra química vinda da China".

Ele também afirmou que as relações com o embaixador em Brasília, Yang Wanming, são "excelentes" e que as declarações não as afetam. 

Queiroga disse, ainda, que Bolsonaro não se referia à China. O senador rebateu, dizendo que ele é um homem inteligente e que, evidentemente, Bolsonaro se referia ao país asiático.

As declarações de Bolsonaro podem acabar prejudicando a vinda de insumos chineses para a produção da vacina CoronaVac contra a Covid-19. Por isso, o Instituto Butantan, que produz o imunizante no Brasil, acompanhou estarrecido as novas agressões.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email