CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Cirurgião palestino foi torturado e morto em prisão israelense

Hamas declarou que o assassinato de Adnan Ahmad al-Bursh pelas forças israelenses é um "crime de guerra"

Imagem Thumbnail
Adnan Ahmad al-Bursh (Foto: Reprodução/Redes sociais)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

PressTV - Grupos de defesa dos direitos dos palestinos afirmam que o chefe de ortopedia do Hospital al-Shifa, a maior unidade médica na Faixa de Gaza sitiada, foi morto por tortura durante sua detenção em prisões israelenses.

O Comitê de Assuntos dos Prisioneiros Palestinos e o Clube dos Prisioneiros Palestinos disseram em uma declaração conjunta na quinta-feira que Adnan Ahmad al-Bursh, um cirurgião palestino e professor de medicina ortopédica, perdeu a vida como resultado de tortura na prisão israelense de Ofer, na Cisjordânia ocupada, no mês passado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A declaração afirmou que o cirurgião palestino de 50 anos morreu em um evento descrito como "assassinato deliberado” e “seu corpo ainda está sendo retido" pelo regime israelense.

Citando autoridades palestinas, os dois grupos de advocacia de direitos disseram que Bursh havia sido preso com um grupo de outros médicos em dezembro passado no Hospital al-Awda, perto do campo de refugiados de Jabalia, no norte de Gaza, e que ele morreu em 19 de abril.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A declaração conjunta afirmou que outro detento, Ismail Abdul Bari Khader, de 33 anos, também morreu sob custódia israelense e seu corpo foi entregue em 2 de maio junto com outros 64 prisioneiros.

“As duas vítimas morreram de tortura e crimes cometidos contra detentos de Gaza,” disse a declaração, acrescentando que a morte de Bursh fazia "parte de um alvo sistemático a médicos e ao sistema de saúde em Gaza."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Enfatizando que a morte do cirurgião equivale a "assassinato", o Ministério da Saúde Palestino em Gaza declarou que isso elevou para 492 o número de trabalhadores da saúde mortos em Gaza desde que a guerra israelense começou há quase sete meses atrás.

A declaração conjunta afirmou que as mortes de Bursh e Khader elevaram para 18 o número de mortes sob custódia israelense desde o início da guerra em 7 de outubro.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os dois grupos de defesa dos direitos renovaram seu apelo às Nações Unidas e a todas as instituições internacionais para cumprir suas responsabilidades em relação aos crimes cometidos pela ocupação contra os detentos palestinos.

Eles enfatizaram a necessidade de "ir além de apenas publicar relatórios, depoimentos e advertências, pois, após quase sete meses de genocídio, tudo isso perdeu seu significado, com a ocupação sendo apoiada por forças internacionais claras."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Especialista da ONU 'extremamente alarmada' - Francesca Albanese, relatora especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos na Cisjordânia ocupada e em Gaza, disse que estava "extremamente alarmada" com a morte do proeminente médico.

"Insto a comunidade diplomática a intervir com medidas concretas para proteger os palestinos. Nenhum palestino está seguro sob a ocupação de Israel hoje," ela escreveu em uma declaração no X na quinta-feira.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
"Quantas mais vidas terão que ser tiradas antes que os Estados-membros da ONU, especialmente aqueles que demonstram genuína preocupação pelos direitos humanos globalmente, ajam para proteger os palestinos?"

Grupos médicos, incluindo a Organização Mundial da Saúde, têm repetidamente exigido que o regime israelense interrompa seus ataques às instalações médicas e aos trabalhadores da saúde em Gaza.

Hamas: Assassinato de abduzidos palestinos é 'crime de guerra' - O movimento de resistência palestino Hamas disse que os dois homens palestinos morreram como resultado de tortura severa e negligência médica nas instalações de detenção de Israel.

O Hamas declarou que o assassinato dos palestinos pelas forças israelenses é um "crime de guerra" e parte dos atos hediondos perpetrados contra o povo palestino pelo regime.

O movimento com base em Gaza também convocou a comunidade internacional a tomar medidas urgentes para denunciar e criminalizar as atrocidades do regime israelense.

A guerra israelense, que foi lançada após a Tempestade de Al-Aqsa, uma operação retaliatória por grupos de resistência liderados pelo Hamas, até agora matou pelo menos 34.568 pessoas, a maioria delas mulheres e crianças. Mais de 77.700 palestinos também sofreram ferimentos na agressão bárbara, enquanto milhares de outros permanecem desaparecidos.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO