CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

EUA recomeçam a 'cruzada' contra a China e questionam suas intenções no continente latino-americano

'Estamos preocupados com o possível uso militar da infraestrutura chinesa na América Latina', afirmou a general Laura Richardson

General Laura Richardson (Foto: Reprodução)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Agência Sputnik - O Comando Sul norte-americano lançou críticas às atividades chinesas na América Latina, que acusa terem propósito militar.

A chefe do Comando Sul dos EUA voltou a questionar o interesse da China na América Latina e insinuou que Pequim está buscando objetivos militares ao expandir sua presença na região.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Por que há tanto foco na infraestrutura crítica chinesa neste hemisfério?", perguntou na quinta-feira (9) a general Laura Richardson, durante a 9ª Conferência de Segurança Hemisférica (HSC, na sigla em inglês), em Miami, Flórida, EUA.

A oficial norte-americana argumentou que a influência do gigante asiático na América Latina está crescendo por meio de projetos críticos, como a construção de grandes portos, que lhe dão acesso aos valiosos recursos naturais da região, em detrimento dos interesses das populações locais.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Estamos preocupados com o possível uso militar [de tal infraestrutura]", acrescentou.

"O primeiro mega porto da China na América Latina só vai facilitar a extração desses recursos da região pelos chineses", argumentou Richardson, acrescentando que a América Latina está longe de se beneficiar das riquezas naturais que possui, enquanto Pequim tem vários acordos assinados com 21 países da região.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Para o chefe do Comando Sul, a cooperação dos países latino-americanos com a China significa que as empresas norte-americanas precisam afastar as empresas chinesas para ocupar seu lugar.

"Temos que ir até lá e competir por esses contratos nos países onde eles ainda estão sendo considerados", disse ela.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Anteriormente, a membro do Pentágono já havia atacado a China em termos semelhantes, o que levou Pequim a acusar Washington de "dois pesos e duas medidas" e a lembrar que os EUA "têm cerca de 800 bases militares no exterior, com 173.000 militares estacionados em 159 países". Eles sublinharam que os países da América Latina e do Caribe são "soberanos e não são o quintal dos EUA".

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO