Gilmar deixa claro que Bolsonaro fez apologia de crime inafiançável e imprescritível

Mesmo sem ter citado Jair Bolsonaro, o ministro Gilmar Mendes fez um post que manda um claro recado a ele, que cometeu mais um crime: apologia à tortura

Gilmar Mendes, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro
Gilmar Mendes, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação | Brasil247 | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes mandou pelo Twitter nesta quarta-feira (30) um recado duro e velado a Jair Bolsonaro após seu ataque contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Na segunda-feira (28), Bolsonaro zombou da tortura cometida pela ditadura militar contra Dilma e demais vítimas, o que gerou uma onda de críticas ao Chefe do Executivo.

Agora, Mendes se soma às personalidades que saíram em defesa da ex-presidente, mesmo sem citar os nomes de Dilma ou Bolsonaro. 

O magistrado ainda fez questão de lembrar que tortura, prática a qual Bolsonaro fez apologia, configura crime inafiançável e imprescritível. "Tortura é crime inafiançável e imprescritível. Quem entoa saudades da ditadura só pode padecer de amnésia ou - pior ainda - de absoluta falta de conhecimento histórico".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email