Bolsonaro admite ter recebido denúncia de corrupção da Covaxin e ataca Luis Miranda: 'vai se dar mal'

“Passaram-se quatro, cinco meses depois que ele conversou comigo. Conversou, sim, não vou negar”, disse Bolsonaro em live, admitindo ter recebido denúncia de corrupção envolvendo a vacina indiana Covaxin

www.brasil247.com - Luis Miranda e Jair Bolsonaro
Luis Miranda e Jair Bolsonaro (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados | REUTERS/Adriano Machado)


247 - Jair Bolsonaro, em live nas redes sociais, nesta quinta-feira, 24, admitiu ter recebido denúncia de corrupção envolvendo a vacina indiana Covaxin. Ele confirmou ter se encontrado em março com o deputado Luis Miranda (DEM), que denunciou irregularidades nas negociações para a compra do imunizante e afirmou ter alertado o chefe do Planalto sobre as operações fraudulentas.

Bolsonaro, porém, negou as suspeitas levantadas por Miranda e disse que "quem buscou armar isso daí vai se dar mal".

"Está essa onda toda aí... 'Agora pegamos o governo Bolsonaro', 'corrupto', 'negociando vacina com 1.000% de sobrepreço'... Não vou entrar em muitos detalhes, não. Coisa tão ridícula", disse. "Isso [conversa com Miranda] aconteceu em março. Quatro meses depois, ele resolve falar para desgastar o governo? O que ele quer com isso?", destacou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não gastamos um centavo com a Covaxin, não recebemos uma dose de vacina Covaxin. Que corrupção é essa? Assim como o Luis Miranda esteve aqui, ele podia ligar para mim e perguntar o que está acontecendo, eu responderia para ele. (...) Passaram-se quatro, cinco meses depois que ele conversou comigo... Conversou, sim, não vou negar. Não aconteceu nada, não entrou no Brasil uma só dose de Covaxin”, continuou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CPI da Covid

O deputado Luis Miranda (DEM), que, junto com seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Fernandes Miranda, denunciou esquema de corrupção na compra da vacina Covaxin, vai levar à CPI da Covid nesta sexta-feira, 25, uma troca de e-mails que indicam que o governo Jair Bolsonaro teria insistido no contrato para a compra do imunizante indiano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os irmãos Miranda alertaram Bolsonaro ainda em março sobre o processo suspeito envolvendo a vacina, que iria ser comprada superfaturada, com preço 1000% maior ao que havia sido oferecido anteriormente.

Por ter omitido a informação para a Polícia Federal (PF), Bolsonaro pode ser acusado de três crimes: prevaricação, condescendência com o crime e responsabilidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta quinta, senadores da CPI da Covid afirmaram que a Madison Biotech, empresa usada para tentar receber antecipadamente US$ 45 milhões da compra da Covaxin, é uma empresa de fachada. Ela é sediada num endereço em que investigações internacionais já apontaram a existência de registros de 600 empresas de fachada, aproximadamente.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email