Fritado, Guedes diz em tom de brincadeira que 'há um complô' para lhe derrubar

“Tem um complô para me derrubar em Brasília”, afirmou Guedes rindo. Os rumores sobre sua demissão foram negados pelo Ministério da Economia

Ministro da Economia, Paulo Guedes, gesticula durante entrevista coletiva 11/08/2020
Ministro da Economia, Paulo Guedes, gesticula durante entrevista coletiva 11/08/2020 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com o programa original do Renda Brasil (substituto do Bolsa Família) rejeitado por Jair Bolsonaro e com crise nos cargos controlados pelo Ministério da Economia, Paulo Guedes disse em tom de brincadeira que “há um complô” para lhe derrubar, em meio a rumores sobre uma possível demissão do economista.

“Tem um complô para me derrubar em Brasília”, afirmou Guedes rindo, ao comentar que teria uma reunião com secretários estaduais de Fazenda seguida de uma reunião com prefeitos. Ele ainda disse que Bolsonaro "não é o mais gentil com as palavras".

O programa do Renda Brasil não foi aceito pois o ministro queria extinguir benefícios como o abono salarial para arrecadar os recursos. Bolsonaro deu até a próxima sexta-feira como prazo para o ministro apresentar um novo formato do programa.

Guedes havia apontado para um possível auxílio de R$ 247, porém, para ser efetivado, preparou a extinção do abono salarial, do salário-família, do seguro-defeso e da Farmácia Popular. Além disso, outras exigências que o ministro colocou para implementar o Renda Brasil foram o fim do auxílio emergencial de R$ 600; implementação da Carteira Verde Amarela; e desoneração da folha de salários.

Sobre rumores sobre a possível demissão de Guedes, o Ministério da Economia divulgou nota nesta quarta-feira, 26, negando a informação de que o ministro iria pedir uma coletiva de imprensa para sair do governo. “Não procede marcação de coletiva para pedido de demissão. Ministro continua despachando normalmente. Estava em reunião com secretários de Fazenda, conforme agenda", diz o texto. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247