Campanha da Folha "pela democracia" é uma enganação pela manutenção do golpe

A Folha não quer democracia, pois não teria apoiado o impeachment fraudulento contra Dilma e a prisão política de Lula. A democracia da Folha é apenas uma palavra para promover uma enganação política criminosa

www.brasil247.com - Capa Folha de S. Paulo - 29.06.2020
Capa Folha de S. Paulo - 29.06.2020 (Foto: Reprodução)


O jornal Folha de S. Paulo lançou esta semana a campanha “use amarelo pela democracia”. Para os mais desavisados, parece uma campanha do jornal paulista contra Jair Bolsonaro, uma vez que o fascista no poder e seus aliados têm ameaçado o País constantemente com um golpe militar para fechar o regime (“acabar com a democracia”).

Na realidade, a campanha do jornal é um movimento abstrato cujo objetivo é conter a mobilização do povo contra Bolsonaro e o regime golpista. Primeiro porque é uma propaganda abstrata em defesa da democracia, que em si já é uma definição abstrata, que dá margem gigantesca para uma política anti-povo.

Segundo porque é uma campanha que busca acabar com a polarização política e, portanto, com a radicalização popular necessária para derrotar o golpismo. Isso pode ser visto através da campanha “use amarelo”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A luta política sempre cria suas simbologias. No Brasil, ficou marcado o uso do vermelho - cor histórica de luta da classe operária e do povo - pela esquerda, e o uso das cores da nação pelos coxinhas entreguistas, que querem o País na mão dos Estados Unidos. A política pelo uso do amarelo é que para que setores da direita “moderada” participem da luta política e desta forma a esquerda combativa seja obrigada a fazer concessões em nome da aliança (ou seja, além de não agregar, atrapalha).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a campanha contra a polarização, surge a campanha por uma “frente ampla e democrática”, que teria de reunir lobos e galinhas, gatos e ratos, golpistas e trabalhadores. Para isso, é preciso atacar a ala combativa da esquerda ao mesmo tempo em que se faz propaganda para o setor “civilizado” dos neoliberais.

Desta forma, ao mesmo tempo em que a Folha promove inimigos históricos dos trabalhadores, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), PSDB e Ciro Gomes, ataca de maneira radical o chamado “lulopetismo”, que é o setor do PT com mais apoio popular, enquanto outros setores do mesmo partido e de outros partidos da esquerda são elogiados como “moderados”, “racionais” e assim por diante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta campanha há três frente de combate. Duas ofensivas e uma defensiva. Defende-se a política de conciliação e a promoção de elementos da direita mais alinhados com a política financeira do imperialismo, como FHC e Doria. Mas ataca-se Lula e o setor que, assim como ele, é contra fazer aliança com bandidos políticos. Este setor reúne o PCO e uma parcela da base militante do PSOL e do PCdoB. Também ataca-se - de maneira muito mais controlada e pacífica - a ala “extremista” (ou, como diriam, ideológica) do governo Bolsonaro - quer dizer, enquanto se faz campanha pelos elementos supostamente “técnicos” do governo, como o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM).

Como já disse outras vezes, a frente ampla, na verdade, é pelo “Fica Bolsonaro”. Na realidade, a política “pela democracia” dos golpistas é favorável a ir desgastando o governo até 2022 para diminuir o apoio de Bolsonaro nas eleições e, assim, conseguir colocar no poder um candidato mais alinhado, com a mesma política do bolsonarismo, mas sem o empecilho da família e do olavismo, fatores de extrema crise política e instabilidade dentro do governo. Veja-se que a direita “civilizada” está com Bolsonaro na hora de aprovar as “reformas” trabalhista e previdenciária, a terceirização e a privatização do patrimônio nacional (lembrando que o porta-voz de Ciro, Cid Gomes votou a favor do projeto de Paulo Guedes e da Coca Cola pela privatização do saneamento).

O interesse com a frente ampla é dar capital político para partidos totalmente falidos do ponto de vista político, como o PSDB, que perdeu a maioria do seu eleitorado para o bolsonarismo. Desta forma, a Folha, quando compara sua nova campanha, com a campanha pelas “Diretas Já”, na época da ditadura militar brasileira, está correta. Na época, também, contrários à ditadura se uniram com o setor “moderado” da ditadura, o que acabou favorecendo o MDB, que deu um golpe e articulou as eleições indiretas, mas tendo sua chapa, liderada por Tancredo Neves, apoiada por uma parte da esquerda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Da mesma forma, a frente ampla proposta pela Folha e pelo resto da imprensa tem como objetivo dar capital político ao PSDB, a Ciro Gomes e outros bandidos que são defensores da máfia capitalista. Com o apoio de Flávio Dino, Marcelo Freixo, Fernando Haddad e Guilherme Boulos pretendem - ao mesmo tempo que usam um espantalho, que hoje é Bolsonaro, mas antes era Paulo Maluf - dar força ao novo governo que assumirá (se a maracutaia der certo) em 2023.

O que permite que o PSDB até hoje se mantenha no governo em São Paulo foi o apoio do PT dado a Mário Covas, em nome de combater o espantalho Maluf e de Francisco Rossi (que também era visto como um homem da ditadura), nas eleições estaduais de 1994 e 1998. Consequência: o PSDB ficou oito anos no poder, assumindo um governo relativamente estável do ponto de vista da oposição, que o tinha apoiado, e aparelhou toda a máquina estatal de São Paulo. E agora, o partido reina no estado, que por muitos é conhecido como Tucanistão. O reino dos tucanos que promovem desde 1995 a política contra o povo e semi-fascista. Covas reprimiu brutalmente as greves de professores, assim como Geraldo Alckmin e João Doria.

Ou seja, com a campanha “democrática” da Folha, finalmente, o que pode acontecer é que a luta do povo para derrubar Bolsonaro seja implodida e se transforme em uma luta eleitoral para defender “qualquer um” menos Bolsonaro, ou seja, até o bolsonarista João Doria ou o neoliberal oligarquia Ciro Gomes. Qualquer que seja o governo eleito em 2022, se for apoiado pela esquerda (que deveria ser oposição ao golpe), ele chegará mais forte nos primeiros meses/anos do mandato, podendo realizar os mais brutais ataques neste período e desta forma promover um profundo retrocesso para os trabalhadores, suas organizações e a população, que estarão desmobilizados e desmoralizados pela campanha eleitoral da frente ampla. 

A Folha não quer democracia, pois não teria apoiado o impeachment fraudulento contra Dilma e a prisão política de Lula. O que o jornal quer é o bolsonarismo sem Bolsonaro. A democracia da Folha é apenas uma palavra para promover uma enganação política criminosa para a manutenção do golpe.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email