Bolsonaro aceitou compra da CoronaVac, mas recuou após pressão de apoiadores nas redes

A comemoração de João Doria também foi motivo para que Bolsonaro desfizesse o acordo do Ministério da Saúde e joga-se pelo ralo a vacina que poderia imunizar os brasileiros

(Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro já havia sido informado no último final de semana sobre a decisão do Ministério da Saúde de oficializar a intenção de compra da CoronaVac, vacina chinesa contra a Covid-19, e não se opôs à ideia, segundo a Folha de S. Paulo.

De acordo com assessores do Palácio do Planalto e do Ministério da Saúde, Bolsonaro recuou de sua posição após notar grande repercussão negativa entre apoiadores nas redes sociais no final da tarde de terça-feira (20), quando já havia sido anunciado o acordo entre o ministério e o Instituto Butantan, desenvolvedor da vacina em parceria com a empresa chinesa Sinovac.

Já na terça-feira, Bolsonaro telefonou para o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e comunicou que traria à público sua oposição ao acordo firmado.

Nesta quarta-feira (21), ambos voltaram a se falar para combinar a divulgação de uma nota pública, na qual alegaram que houve "interpretação equivocada".

A comemoração do governador de São Paulo, João Doria, sobre o acordo também foi motivo para o recuo de Bolsonaro, segundo assessores.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247