Brasil

Lava Jato: Moro, Hardt e Deltan são acusados de desviar R$ 2,5 bilhões em esquema com fundação

A acusação consta do relatório da investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre irregularidades na Lava Jato

Deltan Dallagnol, Gabriela Hardt e Sergio Moro (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados | Reprodução/Twitter)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O ex-juiz suspeito e hoje senador, Sergio Moro, a juíza afastada Gabriela Hardt e o ex-procurador e ex-deputado cassado, Deltan Dallagnol, se uniram para desviar 2,5 bilhões de reais do Estado brasileiro através de uma fundação "voltada ao atendimento a interesses privados”. As informações são da revista Veja.

A acusação consta do relatório da investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre irregularidades na Lava Jato, em Curitiba. Um dia após o CNJ afastar Hardt do Judiciário, Moro é alvo de julgamento no órgão.

“O desvio do dinheiro só não se consumou em razão de decisão do Supremo Tribunal Federal”, diz o CNJ.

A investigação indica que o trio contou com a colaboração de gerentes da Petrobras e de agentes públicos dos Estados Unidos para desviar os fundos.

A correição foi conduzida pelo ministro Luís Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça, enquanto corregedor-geral de Justiça.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Como Moro não é mais juiz, o CNJ pode enviar notícia-crime ao Ministério Público Federal para dar andamento a uma investigação criminal contra ele. Seu julgamento ocorre no mesmo momento em que graves arbitrariedades cometidas pela força tarefa de Curitiba vêm à tona.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO