Internautas citam os índios yanomamis, criticam o governo Bolsonaro e defendem o Mais Médicos

O programa lançado pelo governo Dilma ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter

www.brasil247.com -
(Foto: ABR | Condisi-YY/Divulgação)


247 - Internautas demonstraram novamente a indignação com os problemas de saúde enfrentados pelos índios yanomamis, em Roraima, onde foram encontrados com desnutrição grave e malária. Usuários do Twitter defenderam o Mais Médicos, programa lançado em 2013 pelo então governo da presidente Dilma Rousseff - o objetivo era levar de maneira emergencial mais profissionais para regiões pobres e principalmente no interior dos estados. Nesta terça-feira (24), o nome do programa ficou no trending topic (tópico em tendência), como um dos assuntos mais comentados no Twitter.

O jornalista Luís Nassif disse que "não se pode esquecer o papel do ex-ministro Mandetta, acabando com o Mais Médicos. Foi uma das causas da volta das epidemias às aldeias".

>>> Mídia dos EUA decide atacar Alexandre de Moraes

Outro perfil disse: "os ricos não gostam do Programa Mais Médicos porque aumenta a concorrência dos filhos médicos deles e ajuda os mais pobres". "Não tem nada a ver com médicos cubanos, tem a ver com dinheiro: quantos menos médicos maior o valor da consulta".

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) citou declarações de uma profissional de saúde. "Desolador. Ana Caroline, do programa Mais Médicos, faz relato dramático da situação do povo yanomami. Falta de estrutura e acesso a medicamentos básicos.Situação de completo abandono e esperança de um plano estruturado de atenção diferenciada a longo prazo".

>>> Sonia Guajajara sobre militares exonerados da Funai: "já vão tarde"

De acordo com o Ministério dos Povos Indígenas, 99 crianças do povo Yanomami morreram em 2022 por conta do garimpo ilegal na região. A pasta estima que ao menos 570 crianças foram mortas pela contaminação por mercúrio, desnutrição e fome nos últimos anos.

O Ministério da Saúde, comandado por Nísia Trindade, decretou emergência de saúde pública. Pelo menos outros quatro ministérios estão envolvidos na força-tarefa para ajudar os indígenas - Desenvolvimento e Assistência Social (Wellington Dias); Povos Indígenas (Sônia Guajajara), Direitos Humanos (Silvio Luiz de Almeida), e o da Justiça e Segurança Pública (Flávio Dino).

 

 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247