Pacheco lê requerimentos e CPI do MEC é criada, mas acordo prevê funcionamento depois da eleição

Parlamentares querem investigar corrupção e tráfico de influência no Ministério da Educação. Líderes partidários precisam indicar integrantes, para o funcionamento da CPI

www.brasil247.com - Rodrigo Pacheco, Ministério da Educação e Dinheiro
Rodrigo Pacheco, Ministério da Educação e Dinheiro (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado | ABR)


247 - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do MEC foi oficialmente criada, nesta quarta-feira (6), após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), ler os requerimentos de criação de três novas CPIs, uma das quais para investigar denúncias de corrupção e tráfico de influência no Ministério da Educação (MEC). 

Com a leitura dos requerimentos, as comissões ficam oficialmente criadas, mas líderes partidários precisam indicar integrantes, para iniciar o funcionamento de CPIs.

Uma das comissões tem como objetivo a investigação do crime organizado e do narcotráfico. Outra pretende apurar possíveis irregularidades em obras inacabadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Denúncias de corrupção no MEC

A Polícia Federal iniciou as investigações sobre corrupção no MEC após a divulgação de um áudio, em março, quando Ribeiro afirmou que, a pedido de Bolsonaro, liberava dinheiro do MEC por indicação de dois pastores, Arilton Moura e Gilmar Santos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Servidores disseram que Milton Ribeiro recebia com frequência o pastor Arilton Moura em seu gabinete e na casa do ex-titular do MEC.

O empresário Edvaldo Brito detalhou sobre como funcionava a cobrança de propina para receber repasses do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF),  o ex-assessor do MEC Luciano Musse recebeu R$ 20 mil a pedido do pastor Arilton Moura, para intermediar um encontro de Milton Ribeiro com prefeitos.

O advogado Daniel Bialski, que defende Ribeiro, confirmou a existência de um depósito na conta da mulher do ex-titular do MEC no valor de R$ 50 mil feito por um parente de Arilton Moura. 

Envolvimento de Bolsonaro

Em outro áudio, Ribeiro afirmou a uma pessoa que Jair Bolsonaro (PL) tinha avisado o ex-ministro sobre uma operação no MEC.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esposa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, Myrian Ribeiro afirmou a um interlocutor, às 9h19 da última quarta-feira (22) que o ex-titular da pasta "tava sabendo" com antecedência da realização de uma operação contra ele. Naquele dia, Ribeiro foi preso por acusação de envolvimento em tráfico de influência e corrupção no MEC.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email