América Latina

Autoridades citam risco de 'crise diplomática' caso a Argentina negue extraditar foragidos pelos atos golpistas do 8/1

Avaliação é de que a relação bilateral poderá ser abalada caso o governo do ultradireitista Javier Milei não apresente argumentos consistentes para recusar a extradição

Golpistas invadem e depredam prédios do governo em 8 de janeiro de 2023 | Javier Milei (Foto: Joedson Alves/Agencia Brasil | REUTERS/Agustin Marcarian)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Autoridades brasileiras estão apreensivas quanto à possibilidade de uma crise diplomática sem precedentes entre Brasil e Argentina, caso o governo do ultradireitista Javier Milei negue a extradição de brasileiros condenados e foragidos pelos atos golpistas do dia 8 de janeiro de 2023. A situação envolve pedidos de refúgio de cidadãos brasileiros em território argentino, o que pode gerar um embate diplomático entre os dois países.

Segundo um diplomata ouvido pela coluna do jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, os brasileiros que buscam refúgio na Argentina enfrentarão dificuldades em comprovar que são vítimas de perseguição política. “Se o governo Milei aceitar o asilo mesmo com argumentos inconsistentes, a relação bilateral poderia sofrer um abalo”, destaca a reportagem.

No Brasil, o Ministério da Justiça, responsável por encaminhar os pedidos formais de extradição ao Ministério das Relações Exteriores após análise detalhada dos casos, também compartilha a preocupação com os possíveis desdobramentos diplomáticos. 

Apesar das declarações controversas de Javier Milei sobre o Brasil, proferidas tanto antes quanto depois de sua eleição, os dois países mantêm suas relações diplomáticas normalizadas até o momento.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Pessoas familiarizadas com o caso revelaram que os pedidos de refúgio podem ter ultrapassado a marca de 100 brasileiros, embora nem todos os solicitantes tenham sido condenados pelos atos de 8 de janeiro. Devido ao caráter sigiloso do processo, não se sabe ao certo quantas solicitações foram formalmente apresentadas.

Além disso, a análise desses pedidos pela Justiça argentina pode prolongar o processo de extradição, com alguns casos podendo levar meses ou até mais de um ano para serem concluídos. 

No entanto, um fator que pode acelerar o trâmite é a existência de ordens de prisão preventiva em aberto contra os solicitantes de refúgio. Nesse cenário, as autoridades argentinas poderiam dar prioridade aos pedidos de extradição, reduzindo o tempo de análise e decisão.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO