Acuado, Bolsonaro reativa o Gabinete do Ódio

Acuado depois de ser responsabilizado pelas mortes de Manaus e ridicularizado pelo início da vacinação em São Paulo, Jair Bolsonaro reativou o "gabinete do ódio". Assessores Interlocutores já admitem que ele está em desvantagem no "jogo da opinião pública"

Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro, principal membro do "gabinete do ódio"
Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro, principal membro do "gabinete do ódio" (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro resgatou na última semana o "gabinete do ódio" para rebater críticas pela demora quanto ao início da vacinação contra o coronavírus no Brasil. Sob orientação dos assessores que compõem o grupo, ele criou um canal de divulgação de informações no Telegram e mirou em alvos como o jornalista William Bonner, o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica, e o youtuber Felipe Neto. O gabinete do ódio tem como um dos principais integrantes o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e é alvo de investigação do Supremo Tribunal Federal. O grupo é caracterizado pela divulgação de fake news.

Auxiliares relataram que, segundo Bolsonaro, ele está em desvantagem no "jogo da opinião pública" e está "apanhando muito", de acordo com informações publicadas pelo portal Uol. Na sexta-feira (15), os panelaços tomaram conta do Brasil pedindo o impeachment dele

Bolsonaro pediu a seus assessores que se "antecipassem" a um possível movimento interno para banir suas contas em plataformas como Twitter, Facebook e Instagram, como aconteceu com o presidente do Estados Unidos, Donald Trump - o chefe da Casa Branca foi banido das redes sociais

Para mudar a estratégia de comunicação, auxiliares de Bolsonaro também apresentaram a sugestão de estimular seus apoiadores a usarem a Parler, rede social com viés ideológico de direita. Presidente dessa plataforma, John Matze admitiu que ela pode quebrar após uma cascata de fornecedores online se distanciaram dela em consequência da violência no Capitólio dos EUA, na semana passada.

O Telegram de Bolsonaro, o canal é alimentado diariamente pelo assessor Tércio Arnaud Thomaz, um dos membros do gabinete do ódio. Um dos ataques mais recentes foi direcionado a Luciano Huck. Uma imagem reproduz uma foto real do casal de apresentadores (ele e Angélica) pedalando em uma praia. Na montagem, foi colocada ironicamente a hashtag #FiqueEmCasa.

luciano-huck-atacado-por-bolsonaro
Reprodução

Investigações

Em maio do ano passado, a Polícia Federal deflagrou uma operação de buscas e apreensões contra um esquema de financiamento e propagação de fake news para beneficiar o bolsonarismo.

Um dos alvos foi a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que é alvo da PF, ameaçou a Corte e pediu o "impeachment" do responsável pela ação. Ao todo, oito deputados bolsonaristas são investigados. O  ex-deputado federal Roberto Jefferson é outro na mira do Judiciário. 

A operação também cumpriu mandados contra os empresários bolsonaristas Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan e Edgard Corona, fundador da Smart Fit. 

O tema "fake news" voltou a ganhar destaque na imprensa nacional em outubro de 2018, quando uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo denunciou uma campanha ilegal contra o então presidenciável Fernando Haddad (PT) financiada por empresas. O objetivo era a divulgação de fake-news (notícias falsas) no WhatsApp para prejudicar o petista. A matéria apontou, ainda, que cada contrato chega a R$ 12 milhões e, entre as empresas compradoras, está a Havan.  

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email