CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Na ONU, Vieira cita Lula e diz que "não há desculpas para impedir admissão da Palestina como Estado-membro"

Chanceler brasileiro enfatizou a urgência de o Conselho de Segurança aprovar a resolução para a admissão da Palestina como membro pleno da ONU

Mauro Vieira e o presidente Lula (Foto: Mauro Vieira, Lula e Gaza ao fundo (Foto: ABr | Ricardo Stuckert/PR | REUTERS/Mohammed Salem))
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, discursou enfaticamente nesta quinta-feira no Conselho de Segurança das Nações Unidas em Nova York, apelando aos membros do Conselho para que apoiem a admissão da Palestina como Estado-membro da organização. O discurso tenta influenciar a votação de uma resolução que, se aprovada, recomendará à Assembleia Geral a admissão formal da Palestina.

Vieira lembrou o posicionamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que em fevereiro deste ano, durante um discurso na Liga dos Estados Árabes no Cairo, defendeu a admissão da Palestina como membro pleno da ONU, enfatizando que as Nações Unidas já haviam reconhecido a necessidade de um Estado palestino há 75 anos. “Não há desculpas para impedir ainda mais que o Estado da Palestina se junte à ONU como membro de pleno direito”, citou Vieira, reiterando as palavras de Lula.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O chanceler brasileiro enfatizou a importância de uma solução pacífica e justa para o conflito entre Israel e Palestina, baseando-se na resolução 181(II) da Assembleia Geral de 1947, que já delineava um plano para dois Estados na região. Segundo Vieira, “um compromisso credível com a paz e a segurança no Oriente Médio requer que a comunidade internacional tome todas as medidas necessárias para cumprir a autodeterminação do povo palestino”.

Destacando o papel do Brasil, que reconheceu a soberania da Palestina em 2010 dentro das fronteiras de 1967, Vieira lembrou que 139 países já reconheceram a Palestina como um Estado soberano. Ademais, apontou a participação da Palestina em diversas organizações e agências internacionais, como UNESCO e UNCTAD, como exemplos de seu comprometimento com as normas e práticas diplomáticas internacionais.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O discurso de Vieira ocorre em um momento delicado, marcado pelo genocídio de 33 mil palestinos nos últimos seis meses devido aos ataques de Israel em Gaza. “Este conselho tem a obrigação de acabar com esse derramamento de sangue”, declarou o ministro, enfatizando a urgência da situação e a responsabilidade do Conselho de Segurança em aprovar a resolução para a admissão da Palestina.

O projeto de resolução, apoiado por países como Brasil, China, Rússia e várias nações árabes, tem como objetivo impulsionar um passo significativo na busca pela paz na região, marcando um momento potencialmente histórico nas relações internacionais e na longa disputa entre Israel e Palestina.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO