Lei de Segurança Nacional, censura e militares: ditadura à vista

Cinco presos com base na Lei de Segurança Nacional. Censura contra professores, instituições de pesquisa, jornalistas e perfis nas redes sociais. Os golpistas estão fechando o regime pouco a pouco

www.brasil247.com -
(Foto: Fernando Frazão/Agencia Brasil)


Por Juca Simonard

Como era esperado, as medidas de cunho bonapartista contra elementos da extrema-direita no início do ano estão sendo aprofundadas pela própria extrema-direita, num processo progressivo de fechamento do regime político. Não pode mais chamar Jair Bolsonaro do que ele é: um genocida.

Lei de Segurança Nacional contra quem criticar Bolsonaro

Por criticarem Bolsonaro, pelo menos 32 pessoas foram presas com base na Lei de Segurança Nacional, a mesma que, arbitrariamente, prendeu “em flagrante” o deputado Daniel Silveira (PSL) por atacar o STF nas redes sociais. Dessa vez, cinco militantes do PT foram presos pela Polícia Federal, em Brasília, por estenderem uma faixa relacionando Bolsonaro ao nazismo e o chamando de genocida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A faixa tinha uma arte do cartunista Aroeira, cujo desenho, quando foi feito, em 2020, foi vítima de ataques do governo Bolsonaro, que tentou censurá-lo acionando seu ministro da Justiça para enquadrar o artista na Lei de Segurança Nacional.

Em seguida, dois militantes que estavam com deputados petistas na PF, para ajudar os ativistas presos, foram presos por levarem cartazes “#BolsonaroGenocida”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No programa Giro das 11, da TV 247, a vereadora Dandara (PT) denunciou que mais de 25 jovens da cidade foram enquadrados na Lei de Segurança Nacional nos últimos dias por críticas a Jair Bolsonaro.

“Eles estão sendo chamados individualmente, e como a maioria é de jovens atuantes nas redes, sem ligação com partidos, não sabemos nem quantos foram no total, a toda hora estão nos chamando para avisar de novas convocações. Podem ser muito mais que 25. E todos enquadrados na Lei de Segurança Nacional”, disse.

“Tudo começou quando um jovem foi preso em 4 de março, por ocasião da visita de Bolsonaro à cidade. Ele fez um tuíte sobre a visita, com uma brincadeira, dizendo ‘Gente, Bolsonaro em Udia amanhã... Alguém fecha virar herói nacional?’. Por causa disso, esse jovem foi preso e passou o dia algemado. Depois disso, estamos agora com essa situação”, relatou a vereadora. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também, o youtuber Felipe Neto, maior influenciador digital do Brasil, recebeu uma “visita” da polícia e foi levado à delegacia para depor. O motivo: chamou o principal responsável pelas quase 300 mil mortes da Covid-19 no Brasil de genocida. Também com base na Lei de Segurança Nacional.

Censura a professores e pesquisadores

Não bastasse esse abuso da LSN, totalmente antidemocrática, vale lembrar que o governo Bolsonaro tem buscado aumentar a censura a pesquisadores, professores, etc. O Ministério da Educação buscou impedir atuações políticas nas universidades federais. Na Ufpel, a Controladoria-Geral da União abriu investigação contra professores por “manifestação desrespeitosa e de desapreço direcionada ao presidente da República”.

Nunca é tarde para lembrar que, se for necessário, a direita golpista pauta novamente o projeto Escola Sem Partido (popularmente conhecido como Escola Com Fascismo) para criar um ambiente policialesco no âmbito escolar. Quem sabe, os golpistas até aproveitem o momento para aprovar o projeto de lei de Eduardo Bolsonaro pela proibição de símbolos que façam referência ao comunismo.

Ainda, na busca para esconder a realidade, o governo impôs medidas para dificultar a divulgação de pesquisas relacionadas à economia, censurando o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e ao meio ambiente, censurando o ICMBio. Isso, na realidade, tem se mostrado regra dos golpistas, que também omitem a realidade sobre a pandemia do novo coronavírus.

Censura nas redes sociais e ataques à liberdade de expressão

Junta-se a isso o fato que, a partir do banimento de Donald Trump das redes sociais, os monopólios na internet passaram a censurar uma série de perfis na internet. Diversos jornalistas relataram que tiveram postagens apagadas, como Antero Greco, que publicou foto de uma edição antiga do jornal O Trabalho com a manchete “Se não soltar o Lula, São Paulo vai parar”.

Mas também alguns perfis foram suspensos: o da Embaixada da China nos Estados Unidos, do parlamento venezuelano (enquanto o de mentira, que apoia Juan Guaidó, continuou aberto), o do partido de esquerda inglês Socialist Workers Party, e assim adiante. Sem falar que o próprio chefe do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, teve publicações suspensas.

Mas o cerco à liberdade de expressão não se resume às ações dos monopólios das redes sociais. Também, busca-se levar adiante o combate às chamadas “fake news” (notícias falsas, em português), que finalmente só servirá para reforçar os portais de notícias capitalistas, os “donos da verdade” que controlam a informação mundial.

Militares prontos para o golpe

Ainda, diante da possível convulsão social que pode ocorrer no Brasil, diante da crise sanitária e econômica, os militares constantemente estão ameaçando a população. Com a possibilidade de Lula ser candidato em 2022, o Clube Militar publicou carta ameaçando golpe, ao estilo do que o Alto Comando das Forças Armadas, através do general Villas Bôas, fez contra o STF para permitir que o ex-presidente fosse preso.

No início da pandemia, Bolsonaro e os militares cogitaram dar um golpe, conforme revelou a Revista Piauí. Neste mesmo período, o chefe da GSI, general Augusto Heleno, também ameaçou um golpe, e teve apoio da maioria dos militares de alta patente. Neste momento, os apoiadores de Bolsonaro iam às ruas todo final de semana para pedir uma “intervenção” militar.

Recentemente, Bolsonaro e os militares conseguiram na Justiça a permissão para comemorar o golpe militar de 1964 no dia do seu aniversário, em 31 de março.

Mas as coisas não ficam na ameaça. Na segunda-feira, a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) iniciou um exercício militar no Rio de Janeiro (Quatis, Porto Real e Resende). A justificativa para o exercício militar é uma preparação de futuros oficiais para a situação de implementação da Garantia da Lei e da Ordem (GLO). 

Na realidade, é um exercício preparatório para impor um estado de sítio caso seja necessário conter algum tipo de convulsão social. 

A ditadura se aproxima. Ela está à vista. É preciso revogar a Lei de Segurança Nacional e todas as leis ditatoriais, mas também é preciso mobilizar o povo contra o governo Bolsonaro, todos os golpistas e o golpe militar. A experiência histórica comprovou que apenas o povo é capaz de contra-atacar.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email