O governo francês tentou aliviar a revolta dos sindicatos e prometeu uma introdução gradual do novo sistema de reforma da Previdência que motivou as greves nacionais. O primeiro-ministro Edouard Philippe, no entanto, disse: ""Se não implementarmos uma reforma minuciosa, séria e progressista hoje, outra pessoa fará uma amanhã, mas realmente brutal"

Ao vivo na TV 247 Youtube 247

Últimos envios

Revista Brasil 247